SIEMACO-Rio

SIEMACO-Rio

Trabalho de garis afasta infestação de escorpiões no Rio

Nos últimos meses, as principais cidades do país, em especial as capitais, têm enfrentado a invasão do escorpião amarelo (Tityus serrulatus). O aracnídeo também é responsável por várias mortes já registradas no primeiro semestre deste ano. Mas para o sossego do carioca, os garis do Rio estão fazendo um trabalho de limpeza de primeira nas ruas da Cidade.

Por incrível que pareça, o Rio de Janeiro é o único Município dentre as grandes cidades do país que não apresentou a manifestação dessa espécie, cuja picada já matou crianças na grande São Paulo, no interior do Estado e na Região Centro-Oeste do país, a exemplo do Distrito Federal.

Até as Cidades do Sul do Brasil, que são mais frias e pouco interessantes para o animal, estão com infestação da espécie. Importante informar que esse tipo de invertebrado encontra ambiente propício para se desenvolver e viver em grandes acúmulos de lixos das ruas e entulhos. "E a presença dos trabalhadores da nossa categoria tem que ser exaltada nesse momento. Se o Município do Rio ainda não registrou casos dessa natureza significa que a limpeza urbana da Cidade está satisfatória. O trabalho do gari é de suma importância nesses casos", ressaltou o presidente do Siemaco-Rio Manoel Martins Meireles.

Especialistas alertam que o número de pessoas picadas por escorpiões em todo o Brasil aumentou de 12 mil em 2000 para 140 mil no ano passado, de acordo com o Ministério da Saúde. As cidades brasileiras também fornecem um excelente habitat para os escorpiões. Elas oferecem abrigo em redes de esgoto, muita água e comida no lixo que não é recolhido, e não há predadores naturais.

Os escorpiões, assim como as baratas que eles comem, são uma espécie incrivelmente adaptável. Como o clima no Brasil fica mais quente devido às mudanças climáticas, os escorpiões estão se espalhando até pelas regiões mais frias do território nacional.

A maioria das picadas de escorpião é extremamente dolorosa, mas não fatal. Para as crianças, no entanto, elas são perigosas e requerem atenção médica urgente. Oitenta e oito pessoas morreram em 2017, segundo o Instituto Vital Brasil e muitos dos mortos são crianças. Pior ainda, a espécie que aterroriza os brasileiros é o perigoso escorpião amarelo, ou Tityus serrulatus. Ele se reproduz por meio do milagre da partenogênese, ou seja, a fêmea gera cópias de si mesma duas vezes por ano – nenhuma participação masculina é necessária. Cada instância da reprodução partenogenética pode gerar 20 a 30 filhotes de escorpião.

asseio paulo paulo paim video cover

Um projeto de lei do Senador Paulo Paim (PT-RS), que tramita no Senado Federal, em Brasília, pretende regulamentar a profissão dos garis.

Página 1 de 72